Pesquisar por palavra-chave

terça-feira, janeiro 23, 2018

Lula errou e deve ser condenado a pagar o que deve ao povo brasileiro



Por Diógenes Brandão*

Passam os anos e a história se repete: Nesse país os poderosos nunca pagam pelos seus crimes.

Afinal de contas, Fernando Henrique Cardoso que aprovou a lei da reeleição e por isso foi presidente por oito (08), privatizou o que bem entendeu e impediu a abertura de dezenas de CPIs que  poderia ter investigado o seu governo, que deixou o país de joelhos ao FMI e ao Banco Mundial, com desemprego e juros de 45%, mesmo assim quando deixou a presidência pôde comprar um apartamento de luxo em Paris. Da mesma forma que Joaquim Barbosa depois de julgar e condenar diversos políticos no "Mensalão", abriu empresas offshore em paraíso fiscal, para comprar um apartamento em Miami, livrando-se assim de pagar os impostos que qualquer cidadão comum pagaria ao realizar tal compra.

Mas isso jamais os fez serem investigados e nem há algum brasileiro sóbrio que imagine que isso seja possível acontecer. Por que? São deuses? Ou gozam de imunidade por não serem petistas ou aliados de Lula?  

E a riqueza e impunidade dos juízes? E as outras lideranças políticas, como José Serra, Aécio Neves e Geraldo Alckmin, o que os torna acima da lei e nenhuma investigação de diversas denúncias vai em frente? Isso só para citar aqueles com quem Lula disputou as eleições presidenciais. Até Fernando Collor, que após o impeachment que sofreu - hoje ostenta mansões e carros de luxo - jamais foi condenado por seu vasto patrimônio e pela riqueza que acumulou e tem dito que será candidato novamente

Mas ele, o nordestino que chegou a São Paulo em um pau de arara e tornou-se operário e lá perdeu um dedo de uma mão - em uma fábrica de automóveis onde trabalhava no ABC paulista - não gostava de política, mas logo tornou-se líder sindical, não pode. 


Depois de disputar e perder 03 eleições, tornou-se presidente do Brasil em 2002 e foi reeleito em 2006, batendo recorde histórico de popularidade durante seu mandato. Mesmo com sua vida revirada de cabeça pra baixo, a verdade é que nunca encontraram provas materiais de que seja dele qualquer propriedade ou recurso adquirido de forma ilegal.   

Mas Lula errou. E pelos erros de Lula, eu também o condeno. 

Condeno-o principalmente por não ter feito o que deveria enquanto pode e agora promete fazer caso seja reeleito pela 3º vez: Regular a mídia brasileira.


José Sarney, Jader Barbalho, ACM e tantos outros políticos se tornaram poderosos ao se apropriarem de concessões de rádios e TVs e desde então, nunca mais suas famílias deixaram o poder. Com isso, políticos se tornaram empresários e empresários se tornaram políticos, num ciclo que nos escraviza e mantém a corrupção viva, ascendente e no controle inclusive do poder legislativo, executivo e judiciário.    

Por nunca ter feito questão de enfrentar essa chaga, em seus 08 anos enquanto presidente do Brasil, Lula errou e precisa pagar pelo seu erro! Para tal, se disputar as próximas eleições e for eleito, precisa pagar sua dívida para com o povo brasileiro.  

E antes que algum acéfalo venha dizer que a regulação da mídia é para cercear a liberdade de imprensa, ou implantar uma ditadura socialista, saibam que países capitalistas como os EUA, França e Inglaterra regulamentaram os seus meios de comunicação e colocaram ordem na casa, onde alguns empresários fazia o que bem entendiam, em nome da tal liberdade de empresas e não de imprensa. 

O link acima leva ao site da BBC Brasil, filiada à BBC de Londres, TV estatal Inglesa, berço do capitalismo mundial.

*Diógenes Brandão é redator publicitário e membro da Comissão Organizadora do Encontro Nacional de Blogueiros e Ativistas Digitais.

O dinheiro nas mãos de 5 bilionários equivale a soma de tudo que existe com 100 milhões de miseráveis



Por Altamiro Borges*, em seu blog

É público e notório que a cloaca empresarial orquestrou, financiou e incentivou a cavalgada golpista que resultou no impeachment de Dilma Rousseff e na chegada ao poder da quadrilha de Michel Temer. Entidades patronais, como a Fiesp (indústria), a Febraban (banqueiros) e a CNA (ruralistas), distribuíram patinhos amarelos e divulgaram mensagens de apoio ao golpe dos corruptos. Agora, um relatório da ONG britânica Oxfam, que será apresentado no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, ajuda a entender os motivos desta conspiração. A chamada elite – ou “zelite” – quer manter e ampliar os seus privilégios. Ela nunca teve e nunca terá qualquer compromisso com a democracia. O golpismo e o fascismo estão no seu DNA.   

Segundo o estudo, apenas cinco bilionários brasileiros concentram a mesma riqueza da metade mais pobre do país – 5 versus 100 milhões de pessoas! A lista é encabeçada por Jorge Paulo Lemann, sócio do fundo 3G Capital, que possui participações nas empresas AB InBev (bebidas), Burger King (fast food) e Kraft Heinz (alimentos). Em segundo lugar aparece o banqueiro Joseph Safra, do Banco Safra; na terceira e quarta posições outros dois sócios de Jorge Lemann – Marcel Herrmann Telles e Carlos Alberto Sicupira. Em quinto lugar está Eduardo Saverin, sócio do Facebook. Ainda de acordo com a Oxfam, no ano da consolidação do golpe, em 2017, o Brasil ganhou 12 novos bilionários. O grupo dos ricaços passou de 31 para 43 integrantes.  

Neste mesmo período, cresceu o número de miseráveis no país – as principais vítimas do golpe dos corruptos. O desemprego e a miséria se alastraram. “O patrimônio no Brasil foi reduzido como um todo, mas quem perdeu mais era quem já não tinha muito. Com as pessoas se endividando, aquelas que têm alguma coisa para vender acabam vendendo para pagar dívida. Por isso, a retração na participação”, explica Rafael Georges, coordenador de campanhas da Oxfam. O estudo revela que a renda dos brasileiros que estão entre os 50% mais pobres encolheu em 2017. Caiu de 2,7% para 2%. Para mostrar a distância entre o grupo que está no topo e o que está na base da pirâmide, a Oxfam calculou que uma pessoa remunerada só com um salário mínimo precisa trabalhar 19 anos se quiser acumular a quantia ganha em um mês por um integrante do grupo do 0,1% mais rico.  

As razões do golpe estão explicadas. Ou precisa desenhar?

segunda-feira, janeiro 22, 2018

Pela primeira vez a rede Globo repete a vinheta Globeleza, descartando a nudez e dando lugar à diversidade cultural

 

Por Diógenes Brandão

Segundo o Wikipédia, "a mulata Globeleza é uma personagem promovida pelo canal brasileiro de televisão Rede Globo no período de carnaval, durante a cobertura conhecida pelo nome de Carnaval Globeleza. A "mulata globeleza" surgiu no início da década de 1990 e consiste numa passista sambando nua com o corpo parcialmente pintado com purpurina, ao som da música-tema da emissora para o carnaval, numa vinheta exibida ao longo da programação diária. Tais vinhetas, criadas pelo designer Hans Donner, também consagraram a música-tema da Globeleza, composta pelo sambista Jorge Aragão e conhecida pelo refrão "Na tela da TV, no meio desse povo, a gente vai se ver na Globo". Inicialmente, durante mais de uma década, a mulata Globeleza foi interpretada por Valéria Valenssa, mulher do próprio diretor de arte Hans Donner. A partir de 2004, contudo, após a primeira gravidez de Valéria, outras mulatas assumiram o posto de Globeleza".

Ao notarmos que com apenas uma leve alteração digital, a Globo resolveu - pela primeira vez - repetir a vinheta de 2017, no carnaval Globeleza 2018, podemos também perceber a diferença destas duas, para as demais que historicamente vem sendo exibidas pela emissora, onde a "mulata globeleza" era apresentada semi-nua e agora está vestida, além de que diversas manifestações culturais são reveladas através de personagens que a acompanham dançando ritmos que são característicos de outros estados, como o Frevo, o Maracatu, o Boi-bumbá ou Bumba-meu-boi, entre outros.

Assista:


Note a diferença da vinheta de 2016:


Agora veja a vinheta de 2015:



Agora leia o artigo da poetiza Débora Garcia, publicado originalmente no lamparinascope.com, em Janeiro do ano passado, onde pela primeira vez, a mulata Globeleza aparecia vestida e outros ritmos, de outros carnavais, além do carioca, eram exibidos pela emissora.

Mulata Globeleza 2017: um avanço na pauta das mulheres negras

No início da década de 1990, os telespectadores brasileiros pararam perplexos em frente a televisão para ver , na emissora mais assistida do país, uma bela passiva negra, carismática e sorridente, de corpo escultural coberto apenas por pinturas e purpurinas, dançando graciosamente ao som da Vinheta que anunciava o início das festividades do Carnaval. Nascia assim, uma Mulata Globeleza, um dos mais símbolos do Carnaval brasileiro. A personagem foi inicialmente interpretada pela Dançarina Valéria Valenssa entre os anos de 1991 a 2004, sendo então substituída por Giane Carvalho (2005), Aline Prado (2006), Nayara Justino (2014) ea atual Érika Moura (2015).     

Ano após ano, como vinhetas são aguardadas com grande expectativa, representando um momento de apotexia (sic), os cinco minutos de fama para as mulheres negras, que depois de um mês de exposição, são novamente relegadas ao ostracismo midiático, das representações previsíveis e secundárias nas novelas Programas de televisão e comerciais. Sendo assim, para uma sociedade de modo geral, uma Mulata Globeleza passou um ser o grande conto de fadas para as jovens meninas negras, uma referência de beleza, uma possibilidade de ascensão social, enfim, um espaço de fato a ser ocupado por nós, Nos negando a oportunidade de sonhar em alçar outros vôos. Não tenho intenção de crítica como artistas que assumiram esse papel ao longo da história. Elas são profissionais gabaritadas e o usam com maestria. Um problema que é problematizado e de que forma essa personagem é reforçado por uma espécie de estereotipagem e sexualização da mulher negra, construído a partir de uma ótica racista e machista. Para tanto, seja preciso revisitar como páginas da história.     

Uma personagem Mulata Globeleza caiu instantaneamente sem gosto popular, pois veio sem sedimento Sem imaginário social O Show de Mulatas criado por Oswaldo Sargentelli, na década de 1970. Apresentador de televisão e empresário da noite carioca produziu, não Brasil e no exterior, mostra o samba, apenas com passistas negras seminuas, ou denominados mulatas, reforçando estereótipos de objeção e erotização da mulher negra, atrelando ao Carnaval brasileiro um forte apelo sexual. A exploração dessa imagem fez com que Sargentelli, de forma jocosa, se auto intitulasse "mulatólogro" colocando-se na condição de especialista em mulatas, como se estas fossem uma espécie diferenciada de mulher.     

O termo mulata é amplamente utilizado por Rede Globo, assim como, por demais meios de comunicação para se referir às mulheres negras, principalmente sem contexto do carnaval, mas o termo também é bastante usual no cotidiano dos brasileiros. A palavra mulata é originária do vocábulo espanhol mulo, que é um animal híbrido, fruto do cruzamento de jumentos com éguas ou cavalos com jumentas. Esse cruzamento entre espécies diferentes gera um animal mestiço, estéril e considerando impuro. Sendo assim, durante o período colonial brasileiro, os negros de pele clara, nascidos devido a estupros de escravas por senhores de engenho, passaram a ser chamados de mulatos, em clara alusão ao processo de mestiçagem entre brancos e negros.     

A maioria das pessoas que estão no mercado, bem como a uma conotação turística, no Brasil, mulheres negras consideradas mulatas tem maior trânsito social, pois apresentam características socialmente atribuídas às mulheres negras como positivas (nádegas e genitália "grandes", corpo curvilíneo e uma "predisposição sexual") e características socialmente atribuídas a brancos como positivas (pele clara, lábios e nariz finos, cabelos lisos ou cacheados) não são bem-sucedidos, exótica e objeto de desejo sexual. É esse padrão de biotipo que a mídia brasileira recorre para representar uma beleza negra, que é diversificada em seus tons e formas. As mulheres negras que não se enquadram nesse padrão, são rechaçadas, como aconteceu com a dançarina Nayara Justino, que representam uma Mulata Globeleza em 2014 e foi rejeitada por ter uma pele mais retinta que como o Japão para a interpretação de uma personagem. Infelizmente, esse não é um caso isolado. Não cotidiano, como mulheres negras que não são enquadram no padrão Globeleza passam por diversos processos de rejeição social.         

Nesse sentido, o uso da palavra mulata para designar uma personagem que se apresenta nua, erotizada e que é apontada como símbolo, não apenas no Carnaval, mas de beleza das mulheres negras, não corrobora com uma mudança de paradigmas que nós tanto ansiamos. Essas e outras questões sobre, vêm sendo pautadas de maneira assertiva pelo movimento feminista e de mulheres negras ao longo de trinta anos. A grande mídia tem sido convocada a rever seus conceitos, paradigmas e repensar como formas de representação e diálogo com as mulheres, população negra e LGBT, enfim, com como minorias de modo geral.   

Diante desse contexto social e histórico, uma vinheta do Carnaval Globeleza 2017, causou tanto impacto quanto a primeira exibição em 1991. Esta, pela nudez, aquela pela ausência de nudez.  

Pela primeira vez na história, uma personagem Mulata Globeleza interpretada actualmente por Dançarina Érika Moura aparece vestida, e esse é, sem sombra de dúvidas, um avanço. Essa afirmação não é bem-vinda na perspectiva puritana e conservadora de demonização da nudez. Esta faz parte da natureza humana e deve ser tratada como tal. Mas quando é condicionante para uma ocupação de espaços reservados, torna-se um problema. Ou seja,quando pensamos em Globeleza ou no Carnaval, automaticamente, os associados a imagem da mulher negra nua, e esta associação, cristalizada no imaginário popular, gera o condicionamento social deste segmento da população .      Outra novidade da vinheta do Carnaval Globeleza 2017, é que uma representação hegemônica das grandes escolas de samba dá lugar à diversidade e à pluralidade cultural do Carnaval brasileiro. Acompanhada por demais personagens, homens e mulheres, brancos e negros, Mulata Globeleza, dança maracatu, axé, frevo, bumba-meu-boi e samba, vestida com como respectivas roupas. O vídeo evidencia que o foco não está mais em um corpo nu, mas na festa em si.     Foi uma mudança importante e significativa, uma sinalização de que como demandas dos movimentos são o repercutindo . Foi um avanço no universo de frentes que atuamos e pautamos. Uma personagem continua se chamando Mulata Globeleza, porém, agora está vestida. Desejamos que essa mudança permaneça e que não tenhamos que esperar mais trinta anos para que ela deixe de ser chamada de Mulata . Seguimos a apresentação e representatividade das mulheres negras, no Carnaval e ambientes espaçosos.     * Débora Garcia é poetisa e produtora idealizadora cultural do Sarau das Pretas - SP. Possui ampla experiência na área de livros, com enfoque nas temáticas voltadas à literatura negra, feminina e periférica. É formada em serviço social pela Universidade Estadual Paulista - UNESP. E uma amiga querida das Lamparinas :).

Acontece que a nova vinheta para a cobertura do carnaval pela Rede Globo de Televisão além 




Quase metade dos presidentes dos EUA tinha doença mental

Abraham Lincoln tinha depressão grave e surtos psicóticos. 


Abraham Lincoln tinha depressão grave e surtos psicóticos. Lyndon Johnson era bipolar. Richard Nixon sofria de alcoolismo. Mas nem por isso eles eram incapacitados para ser presidentes dos EUA, diz Marvin Swartz, professor do Departamento de Psiquiatria da Universidade Duke.  

"Quase metade dos presidentes americanos tinha algum tipo de doença mental, mas isso não significa que eles não pudessem governar", afirma à Folha Swartz, coautor do estudo "Doenças Mentais em Presidentes dos EUA entre 1776 e 1974". O estudo analisa possíveis doenças psiquiátricas dos presidentes, com base em pesquisa biográfica, e voltou a ficar em evidência com a discussão sobre o estado mental do atual mandatário, Donald Trump. Abaixo, trechos da entrevista que Swartz concedeu por telefone. 

Folha - Presidentes são mais predispostos a doenças mentais que a população em geral? Marvin Swartz - Não. Concluímos em nosso estudo que as taxas são similares, de 49%. Mas muitos não tiveram episódio de doença mental enquanto estavam na Presidência. Tiveram depressão em algum momento da vida, mas não voltaram a ter durante o mandato.  

Qual era a doença psiquiátrica mais comum entre os presidentes? 
Depressão, atingindo nove presidentes, seguida de ansiedade, com três, e alcoolismo, com três.  

É legítimo que o público e a imprensa discutam o estado de saúde mental de Trump? 
A discussão é legítima. O problema é que é muito difícil diagnosticar pessoas à distância, sem examiná-las. Para nosso estudo, lemos todo o material biográfico disponível e analisamos o que se encaixava de alguma forma nos critérios estabelecidos para diagnóstico de cada doença mental. E mesmo assim foi bem difícil.  

O sr. acha que os médicos devem respeitar a Regra de Goldwater (segundo a qual só se pode diagnosticar pessoas públicas após examiná-las e só se deve divulgar o diagnóstico com autorização delas)? 
Algumas vezes essa regra não se aplica. Por exemplo, um psiquiatra foi convocado pelo governo para fazer um perfil psiquiátrico do ditador Saddam Hussein, e ele não se negou, estava ajudando a reunir informações para a inteligência americana. Mas acredito que psiquiatras simplesmente saírem falando que tal pessoa tem tal diagnóstico é muito problemático, pois na maioria das vezes eles estão fazendo isso por motivos políticos. Na realidade, acham que o sujeito é um imbecil e não deveria ser presidente.  

Uma pessoa pode ter uma doença mental e ser presidente? 
Claro. Quase metade dos presidentes americanos tinha algum tipo de doença mental, mas isso não significa que eles não pudessem governar, não está diretamente relacionado à capacidade de cumprir suas obrigações no mandato presidencial. E é preciso evitar a estigmatização das pessoas. O melhor exemplo é Lincoln. Apesar de ter depressão severa e surtos psicóticos, ele cumpriu todas as tarefas necessárias durante sua passagem pela Presidência.  

Que tipo de doença mental seria suficiente para afastar um presidente? Woodrow Wilson é o melhor exemplo. Ele sofreu um derrame e ficou seriamente incapacitado. Sua mulher desempenhou as funções da Presidência durante um período, sem que isso fosse público. Ainda não existia a 25ª Emenda [que permite afastar um presidente que for considerado incapaz]. E, de qualquer maneira, quem decide se a 25ª Emenda será invocada é o gabinete do próprio presidente. O chefe de gabinete de Ronald Reagan suspeitava que ele estivesse com demência, mas resolveu não fazer nada a respeito. Em retrospecto, se um grupo de especialistas tivesse examinado Reagan, certamente teria chegado à conclusão que ele já estava em algum estágio de Alzheimer.  

No início da semana, um médico da Casa Branca afirmou que Trump teve um resultado perfeito no teste cognitivo e que isso prova que ele não sofre de nenhuma doença mental que o impeça de governar. É possível tirar essa conclusão de um teste de cognição? 
Não. Esse teste avalia apenas se há algum problema cognitivo, detecta demência, por exemplo. Não tem nada a ver com impulsividade, discernimento, doenças mentais. 

Rodrigo Maia, o otimista

Rodrigo Maia: “Tenho 1% na pesquisa e o dia que eu tiver 7% as coisas melhoram muito”.

Por Milton Hatoum, em sua fanpage

Muitos políticos são apenas cínicos e ignorantes; outros, repugnantes e cruéis. E não são poucos os que reúnem outras tantas “qualidades”, que o leitor pode intuir num piscar de olhos.  

Li em vários jornais que Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, afirmou em Washington que o programa bolsa família escraviza as pessoas. “Criar um programa para escravizar as pessoas não é um bom programa social. O programa bom é onde você inclui a pessoa e dá condições para que ela volte à sociedade e possa, com suas próprias pernas, conseguir um emprego.”  

Hoje, Washington talvez seja mesmo a cidade ideal para esse tipo de político anunciar sua candidatura à presidência do Brasil. O programa bolsa família foi criado no governo FHC e ampliado no governo Lula. Nas duas últimas décadas, esse programa social tirou da miséria absoluta milhões de famílias brasileiras.  

O deputado Rodrigo Maia, mais um cínico profissional, esconde a taxa de desemprego do atual governo. Ele defende a reforma da previdência, como se fosse um elixir mágico, capaz de gerar milhões de empregos. A magia consiste em enxugar o Estado e implementar uma política de desenvolvimento. Mas ele não diz nada sobre o Refis para as grandes empresas. Nenhuma palavra sobre a corrupção na Caixa Econômica e no ministério desse governo que ajudou a colocar no poder naquela noite memorável do impeachment. Nenhuma palavrinha sobre o aumento da taxação de impostos dos mais ricos. E que silêncio sepulcral sobre as regalias afrontosas dos membros do alto escalão dos três poderes! E que silêncio de campo-santo sobre as dívidas (INSS) das grandes empresas. E nadinha, nenhuma sílaba ou oração (coordenada ou subordinada) sobre a imunidade tributária a templos religiosos, mesmo sabendo que muitos deles cobram dízimos dos desvalidos.  

Maia (filho de um ex-esquerdista possuído por uma piração folclórica enquanto prefeito do Rio) sonha com a presidência. “Tenho 1% na pesquisa e o dia que eu tiver 7% as coisas melhoram muito”, declarou ao Valor Econômico (17/01/2018).  

Ele consegue ser mais otimista que o mais ridículo dos otimistas da literatura: Pangloss, do “Candide” de Voltaire. Será que Rodrigo Maia, o otimista, esqueceu os inquéritos contra ele e seu pai? São inquéritos que investigam crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro. Este é o presidente da Câmara dos deputados e futuro candidato ao palácio do planalto (se chegar a 7% e Pangloss ajudar).

sábado, janeiro 20, 2018

Enquete: Quem será o próximo governador do Pará?



Por Diógenes Brandão

Com o intuito de avaliar o desempenho nas redes sociais dos pré-candidatos até aqui apresentados aos eleitores paraenses, o blog AS FALAS DA PÓLIS criou a enquete sobre a intenção de voto para governador do Estado do Pará. 

Nela, o eleitor é obrigado a se identificar, evitando assim a votação anônima e só é permitido escolher um dos pré-candidatos apresentados, podendo o eleitor incluir outro nome de sua preferência, caso este não esteja entre os apresentados pela enquete. 

O resultado será totalizado às 20h do próximo sábado (27/Jan) e será amplamente divulgado nas redes sociais.


O blog agradece a participação e o compartilhamento!

O link direto para a enquete é http://www.ferendum.com/pt/PID119532PSD78147



Brasil Mitômano: Banda de rock "bomba" com Vídeo Lyric contra os golpistas e o "Bolsonazismo"



Por Diógenes Brandão


Com pouco mais de três meses depois de ser lançado na fanpage da banda paraense Delinqüentes, o Vídeo Lyric "Brasil Mitômano" já tem quase 50 mil visualizações e traz uma mensagem forte e direta aos atuais governantes brasileiros. Com cenas e frases que mostram e citam diversos personagens do golpe parlamentar e midiático que ocorreu no Brasil, o vídeo é um tapa bem dado na cara de todos os que patrocinaram, torceram e emudeceram diante deste cenário caótico que foi imposto ao país.

Antes que apareça alguém com preconceitos e que diga que a banda Delinqüentes é de petistas ou fãs do Lula, aviso logo que não são e nunca foram. Pelo contrário, além de alguns de seus integrantes pregarem o voto nulo, as letras de diversas de suas músicas são críticas aos partidos e o sistema político como um todo.  

Quer mais sobre eles? Digite no Google: Banda Delinqüentes

Mas antes assista Brasil Mitômano:



Sobre a banda Delinqüentes

A veterana banda de Hardcore Delinqüentes já é uma velha conhecida do público. Com 32 anos de estrada, o som já variou bastante, mas hoje tocam um Hardcore bem rápido e agressivo mesclado a outros estilos como Thrash Metal, Industrial, Punk Rock e Alternativo, desembocando num som moderno, peculiar e também agressivo e contagiante, sempre com letras atuais e que tentam fugir do lugar comum.  

1º CD  

Em 2000 teve seu 1º CD oficial lançado (Pequenos Delitos – Na Figueredo Records), que teve uma boa repercussão pela mídia especializada e pelos amantes do estilo, chegando a receber nota 9 na revista Rock Brigade (SP), sendo considerada pela revista como um dos melhores lançamentos de Hardcore do ano.  

TURNÊS  

Na mesma época sai em turnê pelo nordeste, tocando posteriormente em São Paulo e Rio de Janeiro, dividindo o palco com grandes bandas do estilo como o Cólera, Ação Direta, Devotos (PE) e outros.  

SHOWS  

Em Belém, já teve a honra de fazer o show de abertura de: Ratos de Porão, Raimundos, Replicantes, Shelter (E.U.A.), Daniel Beleza, Inocentes, Garotos Podres, D.F.C. (DF), Macakongs (DF), Rock Rocket, Superguids, Matanza e vários outros, tendo participado também de grandes festivais na cidade, tanto no passado (Rock 24 Horas, Variasons), como nos eventos atuais (Todas as edições do festival Se Rasgum e duas do Fest Rock, para ficar em alguns), sendo sempre destaque pelo seu som impactante e performance contagiante, em completa interatividade com o público, que participa cantando as músicas numa catarse coletiva.  

VIDEOCLIPE  

Em 2006, a banda participou da 3ª mostra competitiva de curta metragem Paraense, concorrendo com seu clipe Suíno Homo Sapiens ao prêmio Ná Figueredo, ficando em 2º lugar. Seu mais novo clipe, Vagamundo, produzido pela rede Funtelpa, tem sido bastante veiculado na programação da TV Cultura local.  

NOVO CD  

Atualmente, a banda divulga o seu 2º CD, Indiocídio, contendo 17 músicas do mais puro hardcore crossover e que já vem colhendo boas críticas, tanto pela elogiada arte gráfica, quanto pela boa qualidade de gravação.  

ÚLTIMAS APRESENTAÇÕES  

Entre seus últimos shows, destacam-se: 4ª e 5ª edição do Festival Se Rasgum (novembro de 2009 e de 2010 – sendo a única banda à tocar em todas as edições do evento), 2ª edição do São Luís Rock Festival (Maranhão), 2º Festival Quebramar (Macapá – AP), Grito Rock América do Sul em Taguatinga (DF), Festival Megafonica e o show Bodas de Ouro.  

FORMAÇÃO ATUAL: 

Jayme “Katarro” 
Neto: Vocal Pedrinho: 
Guitarra Pablo Cavalcante: Baixo e backing vocal 
Raphael Lima: Bateria e backing vocal  

DISCOGRAFIA: 

INFECTO HUMANO (Demo, 88)
GRITOS DE AGONIA E DESESPERO (Demo coletânea, 93)
A VERDADEIRA FACE DA LOUCURA HUMANA (Demo, 94)
AÇAÍ PIRÃO (CD coletânea - Ná Records, 99) 
PLANETA DOS MACACOS (Demo, 2000) 
HC SCENES (CD Coletânea de Londrina - PR) 
MINUTOS DE INTOLERÂNCIA (CD Coletânea de João Pessoa – PB) 
EXPRESSO HC (CD Coletânea de Rio de janeiro – RJ) 
PEQUENOS DELITOS (CD individual - Ná Records, 2000) 
A GUERRA NOSSA DE CADA DIA (Demo, 2002) 
MATANÇA DE ANIMAIS (Demo, 2003) 
VAGAMUNDO (Promo, 2004) 
INDIOCÍDIO (CD individual - Ná Music / TacaKaos Records, 2009)


Folha revela a farsa da direita sobre a proibição ao cristianismo na Bolívia

 O presidente boliviano, Evo Morales, entrega presentes ao papa Francisco no Vaticano em 2016.


A evangelização é um crime —tão grave quanto exploração sexual, venda de órgãos, turismo pornográfico e mendicância forçada, todos passíveis de sete a 12 anos de prisão na Bolívia, segundo o novo Código Penal do país.  Essa é, ao menos, a interpretação que grupos católicos e evangélicos vêm dando ao artigo 88 do texto, que inclui no pacote de crimes que tratam do tráfico de pessoas o "recrutamento para a participação em conflitos armados ou organizações religiosas ou cultos".

A relação entre o presidente Evo Morales e denominações cristãs, que nunca foi das melhores, degringolou com a aprovação, em setembro, de uma lei que legaliza o aborto antes de oito semanas de gestação e quando a mãe é estudante ou tem dependentes.  

O caldo entornou de vez com o novo código, que entupiu ruas bolivianas com protestos de religiosos. O pastor paulista Antonio de Novais Santos participou de um deles na quarta-feira (17), na cidade de Cochabamba.  

Ele mantém por lá sua Iglesia La Vid (Igreja A Videira) e, com outras lideranças evangélicas, acusa Morales de querer impôr na marra um "regime comunista-marxista" na Bolívia.  

"A lei coloca a evangelização, fazer proselitismo, que é o que nós fazemos com o intuito de melhorar a vida da pessoa, no mesmo patamar de escravizar e traficar pessoas. Como pode?", exclama.  

Outro cisma: "Evo opta por ritos, feiticeiros incas em vez de chamar padres, pastores, de usar a Bíblia, para cerimônias oficiais", diz o pastor. Em 2016, o presidente irritou líderes cristãos ao participar de um ritual indígena aimará para invocar chuvas no combate à pior seca do país em 25 anos.  

Para Santos, não é o único indício de que o presidente busca conflito com a cristandade. Em 2010, o Legislativo aprovou uma lei que respaldava um currículo escolar regionalizado, podendo incorporar "componentes de espiritualidade e cosmovisão indígena", como definiu à época o ministro da Educação.  

No Censo de 2012, 58% se declaravam não indígenas, embora Morales diga que são bem menos —muitos temeriam o racismo e prefeririam esconder as raízes.  

BOKO HARAM  

Com os ânimos acirrados pela legislação penal sancionada em dezembro, inicia-se novo round entre governo e religiosos. Políticos alinhados a Morales apontam uma "guerra de mentiras" nas redes sociais. O artigo 88 serve, segundo o presidente do Senado, José Alberto Gonzales, de vacina contra um correlato latino ao Boko Haram, grupo fundamentalista da Nigéria.  

Porta-voz do MAS, partido governista, David Ramos Mamani acusa a "oposição de direita", servil a "interesses internacionais do imperialismo", de inventar "uma perseguição a igrejas". O que de fato se mira, afirma, são "o sequestro de fiéis ou conversões forçadas, e isso não é novo, já estava em leis anteriores".  

Papo furado, diz à reportagem Carlos Alarcón, advogado constitucionalista e ex-vice-ministro de Carlos Mesa (2003-05), que precedeu a atual Presidência. "É provável que a intenção real seja aniquilar todos os direitos e liberdades que impedem [Evo] de ter o controle total da sociedade boliviana, como as liberdades do pensamento, a consciência, a religião e a expressão."  

Para Iván Lima, ex-ministro do Tribunal Supremo de Justiça boliviano, as igrejas sabem, no fundo, que o código não ameaça a evangelização. "Nossa Constituição protege amplamente a liberdade religiosa. O artigo 88 não pode ser lido isoladamente", diz.  

O que esses religiosos realmente querem, ao pleitearem a revogação de todo o Código Penal, é não permitir o abrandamento da legislação sobre o aborto, afirma.  

O Brasil entrou na peleja via bancada evangélica da Câmara. Seu presidente, o deputado Hidekazu Takayama (PSC-PR), enviou ofícios à embaixada da Bolívia e ao Itamaraty questionando o código "que vem consternando a população cristã não só do país, mas de todo o hemisfério".  

O embaixador do país no Brasil, José Kinn Franco, lamentou, em resposta a Takayama, a ação daqueles que "usam a mentira como arma" e destacou que a maioria dos militantes do governista MAS "professa uma religião".  

IGREJA VS. EVO  

O arsenal de ilações, segundo o deputado Mamani, vem da "hierarquia eclesiástica boliviana, porta-voz da direita e com intenções políticas".  

Influente no clero local, a Opus Dei, movimento católico conservador, é uma das vozes mais críticas a Morales.  

A Igreja Católica ainda tem a preferência de três em cada quatro bolivianos, segundo o Pew Research Center (no Brasil, metade segue o Vaticano).  

O bispo Eugenio Scarpellini, da populosa El Alto, tachou de "hipócrita" a visita do presidente ao papa Francisco pouco após a aprovação do Código Penal. "Que ironia é isso ocorrer no dia em que o presidente está com o papa".  Morales não se fez de rogado. No mesmo dia, postou no Twitter: "Meu irmão Francisco, como sempre solidário, humano e integracionista". 

sábado, janeiro 13, 2018

O principal adversário de Márcio Miranda é a sombra de Simão Jatene e seu partido, o PSDB

Apoiado do Simão Jatene, Márcio Miranda precisa se descolar e manter o apoio ao mesmo tempo.

Por Diógenes Brandão

Eleito por 3 vezes consecutivas como presidente da ALEPA -  Assembleia Legislativa do Pará, o deputado estadual Márcio Miranda (DEM) tornou-se o principal candidato ao governo do Estado, no que podemos chamar base aliada do atual governador Simão Jatene (PSDB).

O que falta em carisma, sobra em articulação política, sobretudo nos bastidores, onde Márcio é quase uma unanimidade, quando se trata de cordialidade com todos os partidos e respeito aos acordos fechados com prefeitos e seus colegas deputados. No entanto, a sombra do governo tucano já lhe mostra uma necessidade urgente em sua pré-campanha: Descolar-se do governador e seu partido, o PSDB.

Com uma rejeição alta, Simão Jatene tenta apresentar Márcio Miranda como seu sucessor, mesmo que não tenha partido de sua vontade a evolução política que o presidente da ALEPA soube galgar durante os 05 mandatos consecutivos como deputado estadual e o 3º também consecutivo como presidente da ALEPA, feito inédito no parlamento estadual. 

No entanto, Márcio Miranda tem dado sinais de que sabe que precisa do apoio e companhia do governador, em alguns lugares e situações, como inaugurações de obras e entrega de serviços por parte do governo, em algumas regiões do Estado, como no nordeste paraense, onde fiscalizaram a obra de pavimentação da PA 242, que liga os municípios de Castanhal à Santo Antônio do Tauá, assim como em Santa Isabel, onde assinaram a ordem de serviço da recuperação da PA 410. 


Nesta mesma tarde, Márcio Miranda e Simão Jatene, acompanhados de deputados estaduais, federais e do senador Flexa Ribeiro, entregaram 38 títulos de terras para produtores da zona rural de Santo Antônio do Tauá. 

O fim da primeira caminhada do ano, do governador Simão Jatene e Márcio Miranda, pelo Nordeste paraense, reduto eleitoral de ambos, foi noticiada pela fanpage Política Pará.


Já ontem (12), durante o aniversário de 402 anos de Belém, o governador Simão Jatene evitou participar do ato em comemoração da data, ao lado de Zenaldo Coutinho (PSDB), que entre aplausos de assessores e apoiadores, foi vaiado pela população e feirantes do ver-o-peso, o principal cartão postal da cidade, que se encontra deteriorado e quem o prefeito prometeu reformar há 02 anos atrás, quando disputou a reeleição e até hoje não há nem previsão das obras iniciarem, mesmo que o dinheiro já tenha sido repassado pelo governo federal.

Leia também:


quinta-feira, janeiro 11, 2018

Exclusivo: Jatene dá a largada para eleger seu sucessor

Por Diógenes Brandão

Durante a assinatura da ordem de serviço de pavimentação e drenagem da PA 416, em Santa Izabel, o governador Simão Jatene (PSDB) startou a pré-campanha de Márcio Miranda (DEM), que ao seu lado andou pelas ruas da cidade, onde a prefeitura anunciou como a maior obra de infraestrutura e saneamento já realizada no distrito de Americano.

A cena foi enviada neste instante, por um leitor do blog que pediu para não ser identificado.

Assista:


Em sua primeira aparição pública do ano eleitoral, Simão Jatene iniciou sua caminhada pelo nordeste paraense em Castanhal, passando por Inhangapi, Santo Antônio do Tauá e Santa isabel, terminando em um palanque em Santa Izabel, acompanhado pelos deputados estaduais Eliel Faustino, Milton Campos, Tiago Araújo, Márcio Miranda e dos federais Arnaldo Jordy e Hélio Leite, além do Senador Flexa Ribeiro.





Leia também: 



quarta-feira, janeiro 10, 2018

G1 Pará: Suspeita de participação no assassinato de prefeito de Tucuruí responde a processo em liberdade

Josy Brito é mãe do prefeito afastado de Tucuruí, Artur Brito, acusada de ser uma das mandantes do crime que chocou o Estado do Pará.

Depois que a defesa de Josenilde recorreu ao STJ e pediu a manifestação do Ministério Público Federal, o MPF recomendou concessão do habeas corpus a ela.


No G1 Pará  

O Ministério Público Federal pediu que o processo que investiga a suposta participação de Josenilde Silva Brito na morte do prefeito eleito de Tucuruí, Jones William, ocorrida em julho do ano passado, seja encaminhado ao Tribunal de Justiça do Pará.  

De acordo com o subprocurador geral da república, Rodrigo Janot, o caso não poderia ser julgado por um juiz de primeira instância, pois há indícios de participação do atual prefeito de Tucuruí, Arthur Brito, filho de Josenilde Brito.  

Depois que a defesa de Josenilde recorreu ao STJ e pediu a manifestação do Ministério Público Federal, o MPF se manifestou dizendo que o habeas corpus deveria ser concedido.  

Josenilde Brito chegou a ser presa no fim do ano passado suspeita de participação no assassinato de Jones William, mas agora responde ao processo em liberdade.  

Em nota, a Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (SUSIPE) informou que Josenilde Silva Brito não mais se encontra custodiada no Centro de Recuperação Feminino (CRF) de Ananindeua, pois recebeu um alvará de soltura no dia nove de dezembro de 2017. Suspeita de participação no assassinato de prefeito de Tucuruí responde a processo em liberdade  Depois que a defesa de Josenilde recorreu ao STJ e pediu a manifestação do Ministério Público Federal, o MPF recomendou concessão do habeas corpus a ela.

terça-feira, janeiro 09, 2018

Cai mais uma mentira da Lava Jato contra Lula. Falsa delação foi amplamente divulgada pela imprensa

Folha de São Paulo: Operador nega ter mantido conta de propina para Lula na Espanha.

Por Diógenes Brandão

Qualquer pessoa em sua plena capacidade de discernimento, consegue entender o modus operandi de como ocorrem alguns depoimentos de delatores da Lava Jato. 

Inúmeros corruptos presos - ou detidos durante as investigações comandadas pela Polícia Federal - sem ter outra alternativa para amenizar suas penas em decorrência dos crimes e desvios cometidos, sejam elas nas empreiteiras ou nos cargos públicos indicados por diversos partidos, acusam Lula como chefe dos esquemas em que são investigados, para atender o desejo dos procuradores da força-tarefa da Lava Jato e assim obterem regalias, diminuição de suas penas e até ficarem livres da cadeia, bastando pagar multas, devolver parte dos recursos desviados ou em algumas vezes, no máximo ficarem em suas mansões cumprindo a famosa prisão domiciliar.

A grande imprensa sempre tem orgasmos sempre quando vê o nome de Lula acusado por algum criminoso, em delações premiadas. 

Logo após ter esse tipo de delação vazada ilegalmente ou divulgada oficialmente pelos Procuradores da Lava Jato ou pelo juiz Sérgio Moro, responsável pela condução dos processos da Lava Jato, na Vara de Curitiba, os principais veículos de imprensa tomam esses depoimentos como verdades absoluta e dão ampla divulgação, sempre com um tom condenatório, seja através de programas de tv, rádio ou matérias e manchetes sensacionalistas, estampadas nas capas dos grandes jornais e revistas da elite brasileira.

Com o depoimento de um desses corruptos ligados à Engevix, não foi diferente. O réu confesso, delatou Lula e a imprensa brasileira fez o alarde antagonista de sempre.

Hoje, ficamos sabendo a verdade sobre mais uma delação mentirosa: Lula foi novamente acusado de forma criminosa e a mídia não fez a devida retratação, ignorando que tentou detonar mais um pouco com a reputação do ex-presidente do Brasil.

Abaixo, algumas manchetes de jornais, blogs, revistas, canais no youtube e redes sociais que noticiaram a delação contra Lula.







Leia agora, a matéria Na Folha, sob o título Operador nega ter mantido conta de propina para Lula na Espanha

O lobista Milton Pascowitch, delator na Lava Jato, durante sessão da CPI da Petrobras. Foto: Alan Marques/Folhapress.

O operador Milton Pascowitch, colaborador da Operação Lava Jato, disse em depoimento à Polícia Federal que é falso o relato do ex-sócio da empreiteira Engevix, Gerson Almada, sobre uma suposta conta de propina na Espanha para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.  

Em depoimento em julho de 2017, o empresário afirmou que ficou sabendo que o operador controlava uma conta na Espanha em benefício de Lula e do ex-ministro José Dirceu, alimentada com propina proveniente de contratos com a Petrobras.  

Na ocasião, ele disse que Pascowitch, certa vez, afirmou que "viajaria de trem para Madri/Espanha para 'olhar a conta' que ele 'administrava' para 'pessoas do PT'". O ex-executivo teria entendido que essas pessoas seriam Lula e Dirceu. Almada negou ter informações ou provas relacionadas a esta conta.

O sigilo do depoimento do empresário foi levantado no início de dezembro. Dez dias depois, Pascowitch prestou o seu relato, negando as acusações. Seu depoimento foi anexado aos autos da denúncia apenas nesta segunda-feira (8).  

À Polícia Federal, o operador disse que é "manifestamente inverídica" a afirmação de Almada e que "forneceu, em seu acordo de colaboração premiada, todos os extratos de suas contas fora do Brasil".  

Pascowitch afirmou, ainda, que intermediava pagamento de propina em favor da Engevix unicamente em razão de contratos obtidos com a Diretoria de Serviços da Petrobras.  

Ele disse que, após aprovação de Almada, ficou acordado pagamento de R$ 14 milhões para o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari. Segundo o depoimento, os recursos eram destinados ao partido e em nenhum momento falou-se em pagamentos para Lula ou Dirceu.  

A DENÚNCIA  

A contradição entre os depoimentos se deu no âmbito da denúncia que acusa Dirceu de ter recebido cerca de R$ 2,4 milhões em propina das construtoras Engevix e UTC, oriundos de desvios na Petrobras.  

Em seu depoimento, Almada confirmou conteúdo de acusação contra o ex-ministro ao dizer que firmou contratos falsos com a empresa de comunicação Entrelinhas para o pagamento de propina.  

Segundo o ex-executivo, a Engevix transferiu R$ 900 mil para a Entrelinhas entre 2011 e 2012.  

A denúncia, oferecida em maio pelo Ministério Público, ainda não foi recebida por Moro. Assim, Dirceu, por enquanto, não é réu nesta ação.  

Também foram acusados, além de Dirceu e Almada, Vaccari, Luiz Eduardo de Oliveira e Silva (irmão de Dirceu) e Walmir Pinheiro Santana (ex-executivo da UTC).

segunda-feira, janeiro 08, 2018

MDB: Sem o P, mas nas entranhas do poder

Para o cientista político da DOXA, a dúvida é se o MDB manterá a estratégia de priorizar o reforço da bancada parlamentar ou se arriscará disputar o governo do Pará.

Por Dornélio Silva*

O PMDB, hoje MDB, sem ter nenhum nome competitivo para disputar a presidência da República, volta à sua antiga estratégia de não ser o protagonista, mas sim estar no plano de fundo decisório da política brasileira, isto é, continuar ditando ordens nas entranhas do poder. Tal condição lhe garante a ocupação de espaços estratégicos no Estado brasileiro, para assim se beneficiar ao máximo do presidencialismo de coalização implantado no país.

Revisando a história, verificamos que o partido sempre chegou ao poder, não por ter seus candidatos eleitos diretamente, mas sim de forma secundária ou por ter maioria parlamentar. Exemplo disso, se deu na eleição indireta no colégio eleitoral de 1985, quando a chapa composta por Tancredo Neves e seu vice, José Sarney, saiu a vitoriosa.

Sem assumir a presidência, Tancredo morre e Sarney vira presidente.

Em 1989, durante a primeira eleição direta para presidente, após redemocratização do país, o PMDB lança Ulisses Guimarães, candidato que ficou em 7º lugar na corrida eleitoral. Fernando Collor é eleito, tendo como vice, Itamar Franco.

Em 1992, Itamar saiu do PRN e ingressou no PMDB, quando começou a criticar o presidente Collor publicamente.

Em outubro de 1992, depois do impeachment de Collor, Itamar Franco assume a presidência da República. O PMDB volta ao poder. 

Na eleição de 1994, PMDB lança Orestes Quércia, que teve uma pífia performance eleitoral. Quércia foi o último candidato lançado pelo PMDB à presidência da República. De lá pra cá já se passaram 24 anos sem o partido apresentar candidato ao cargo máximo do país.

Nas cinco eleições presidenciais seguintes, o PMDB manteve-se fora da disputa eleitoral, mas do poder não. A estratégia do partido foi manter-se aliado do governo do PSDB na era FHC (1995-2003), dando-lhe a governabilidade necessária, nos 08 anos que os tucanos permanceram no poder o que também se repetiu com o ciclo de governo petista, logo depois do Mensalão, no primeiro mandato de Lula (2003-2006), quando este percebeu que não poderia governar sem o apoio do PMDB, para que pudesse ser aprovada minimamente a agenda petista. Ao término da era Lula, O PMDB assume a vice-presidência com Dilma e repete a dobradinha na reeleição de 2014.

Percebendo a fragilidade de Dilma em uma tensa relação com o Congresso Nacional, o vice-presidente vislumbra a possibilidade de assumir o poder e redige uma carta à nação, denominada "Uma Ponte para o Futuro", onde aponta diretrizes para a mudança de rumos para o Brasil, sobretudo em relação à política econômica e às reformas trabalhista e da previdência, ainda em debate com o Congresso.

Com o impeachment de Dilma, Michel Temer assume com o PMDB o poder central do país.

Mesmo com maioria parlamentar e com a presidência da República, o partido não tem nome competitivo para lançar como candidato à presidência. Vai ter que se aliar àquele que tiver maior chances de se eleger presidente.

Os partidos que estiveram no poder, entenderam como funciona o presidencialismo de coalização e perceberam que precisam de partidos como o PMDB para governar. Por sua parte, o PMDB estrategicamente soube se beneficiar desse sistema, qual seja: não lançando candidato próprio à presidência, compondo chapa com aquele candidato que tem maior chance de se eleger e, ao mesmo tempo, priorizando a eleição de candidatos ao legislativo, garantindo assim uma grande bancada. Com isso, aumenta o poder de barganha, fazendo com que qualquer governo que se eleja tenha que recorrer e atender os interesses do partido. 

E essa estratégia se estende para os estados. No Pará, por exemplo, o partido elegeu Jader Barbalho governador em 1982 e em 1990, também. Este, desincompatibilizou-se em 1994 para candidatar-se ao senado, deixando seu vice, Carlos Santos, como governador.

Portanto, assim como PMDB nacional, a legenda paraoara também está há 24 anos sem governar o Pará. Em 1994, não lançou candidato.

Em 1998, Jader se lança, mas perde a eleição para Almir Gabriel (PSDB). A partir daí, nenhum candidato competitivo foi lançado pelo PMDB.

Para as disputas ao governo do Estado, o PMDB lançou em 2002, Rubens Brito; em 2006, Priante; em 2010, Domingos Juvenil. Somente em 2014, o partido lança seu candidato competitivo: Helder Barbalho, que mesmo ganhando o primeiro turno, perdeu no segundo para Simão Jatene (PSDB).

No Pará, seguindo a estratégia de um partido com forte poder de barganha e de oposição, o PMDB participou da metade do governo de Ana Júlia (PT), nos anos de 2007 à 2009, quando rompeu e passou a fazer-lhe oposição. Dois anos depois, o PMDB lança Domingos Juvenil, mas este não passa para o segundo turno das eleições de 2010. Na disputa entre PT e PSDB, o PMDB passa a apoiar Simão Jatene na disputa com Ana Júlia, que não consegue a reeleição e Jatene se consagra governador do Pará pela segunda vez.

Novamente, o PMDB compõe o governo com o PSDB e dois anos depois, a história se repete: Sob o comando do senador Jader Barbalho, o PMDB rompe com o governo Simão Jatene e passa a fazer oposição, para dois anos depois, em 2014, lançar Helder Barbalho como candidato ao governo e este mesmo vencendo o primeiro turno, com uma pequena diferença de votos, perde o segundo turno para Simão Jatene, que se consagra pela terceira vez, governador do Estado do Pará.

Para 2018, o PMDB apresentará novamente Helder Barbalho, que já está em campanha permanente, mas seu desempenho eleitoral, apontado por pesquisas e mesmo estando sozinho como candidato, está muito abaixo das expectativas de um pré-candidato que saiu das eleições de 2014, com 48,08% dos votos.

No que concerne à intenção de voto para Helder, este não ultrapassa a barreira dos 30%. Dito isso, fica a pergunta:  Para as eleições deste ano, o PMDB manterá a candidatura de Helder Barbalho ao governo ou prevalecerá o pragmatismo político do PMDB nacional, que quando percebe que pode perder o executivo, opta pelo parlamento?

*Dornélio Silva é mestre em ciência política e diretor do Instituto Doxa Pesquisa.

A foto do dia



Por Diógenes Brandão

Agora em Porto Alegre (RS), em frente ao TRF4 foi estendida uma faixa de 40 metros, com cada letra de 1,30m por 1,04m. Confeccionada manualmente por 04 artesãs e mais 20 pessoas, a mensagem é direcionada aos magistrados que julgarão o recurso da defesa de Lula, onde pedem a nulidade da condenação proferida pelo juiz Sérgio Moro, que estabeleceu 9 anos de prisão ao ex-presidente do Brasil.

2018: O ano eleitoral inicia sem ninguém ter certeza de nada



Por Diógenes Brandão

Já é de algum tempo que analistas, jornalistas e blogueiros da área política, preveem que 2018 será um ano de suma importância para mudanças políticas no Brasil. Alguns arautos chegaram a dizer que antes do raiar de 2019, a corrupção será aniquilada nas urnas, que nenhum candidato ficha-suja será reeleito e que a Lava Jato enterrará partidos que tiveram seus dirigentes condenados pela justiça do Paraná, ou pelo STF. 

Nada disso ainda aconteceu e pelo andar da carruagem, pouco mudará muito. 

Você pode achar que estou sendo pessimista, mas a impressão que tenho é de estar sendo realista diante dos fatos e acontecimentos que vivenciamos no país. 

A classe política pode até se matar para chegar e permanecer no poder, mas é igualmente corporativista o bastante para não suicidar-se coletivamente, implementando leis e medidas que retirem as raposas do controle do galinheiro. 

Por isso, mesmo sob protestos e uma grande sensação de rejeição perante a opinião pública, os políticos tradicionais seguem no controle de tudo, mandando e desmandando nos três poderes da República, e, por isso, as regras eleitorais, praticamente não mudaram em relação ao que foi implantado em 2016. O financiamento empresarial, por exemplo, desde então está proibido, mas quem acredita que as empresas deixaram de patrocinar prefeitos e vereadores que disputaram as eleições passadas, só pode sofrer de algum surto de ingenuidade.

QUEM SÃO OS PLAYERS?

No Brasil, Lula segue na dianteira de todas as pesquisas e o mais incrível, depois de todo o massacre que sofre pelo bombardeio da grande mídia e nas mídias sociais: É também o menos rejeitado entre os seus principais adversários. 

O PSDB luta internamente para garantir que o governador Geraldo Alckimin, seja o candidato tucano, mas até FHC - Presidente de Honra do partido, já amaldiçoou o colega. O DEM bate na mesa e diz que chegou a sua vez de ter o apoio do PSDB e apresenta pela primeira vez um tom de que realmente vai lançar um candidato ao planalto.

No Pará, o ministro Helder Barbalho (PSDB) canaliza todos os seus esforços e recursos para ultrapassar a margem dos 30% nas pesquisas, mas não passa disso, mesmo tendo aval do presidente Michel Temer para participar de inaugurações de obras, entrega de equipamentos e cheques de plástico em diversos municípios do Estado. Uma dedicação que nem sempre se concretiza, afinal são inúmeros prefeitos que reclamam nos bastidores de estarem com notas empenhadas, mas não terem visto até agora a cor do dinheiro comprometido.

O PSDB agoniza internamente e tenta esconder que esteja vivendo sua realidade mais pura e cruel: Quem manda no partido é quem está com a caneta e as mãos do governador Simão Jatene já assinaram a carta sucessória do poder para o deputado estadual e presidente da ALEPA, Márcio Miranda (DEM). Assessores do prefeito de Ananindeua, Manoel Pioneiro, ainda tentam forçar a barra e jogar suas últimas cartas para o tabuleiro da convenção estadual dos tucanos, mas os principais dirigentes do partido já sabem, inclusive o Pioneiro, de que o melhor caminho é seguir o que o "chefe" orientou.

Márcio Miranda por sua vez, reúne-se com empresários, prefeitos, vereadores, dirigentes partidários, mas falta-lhe visibilidade e carisma perante a população e a sociedade civil. Reconhecido perante seus pares e pela elite política paraense, como um hábil negociador e generoso homem público, Márcio ainda não conseguiu demover o interesse do principal prefeito do DEM, o seu partido, em apoiar Helder Barbalho. O povo de Santarém sabe muito bem disso.

O vice-governador Zequinha Marinho (PSC) continua sua saga em posicionar-se como sucessor natural do governador Simão Jatene, nem que seja pelos 06 meses que este deve se licenciar para poder concorrer a algum cargo. Entre uma vaga como conselheiro vitalício no TCM, no senado, ou na Câmara de Deputados, Zequinha diz que espera a saída de Jatene para concorrerá ao cargo de governador, sentado na cadeira de Jatene, o que faz o governador a ter que blefar, dizendo que se manterá no cargo até o dia 31.12.2018, quando termina de fato o seu mandato.

Jatene responde a processos que podem lhe cassar os direitos políticos e deixa-lo vulnerável e por isso, até mesmo ser preso por alguns dias, mas não quer perder o poder de influência que exerce, mesmo tendo declarado apoio a outro candidato de fora do seu partido, ao ter que se licenciar e passar a caneta a Zequinha Marinho, que já avisou que trocará toda a equipe e iniciará um novo governo, tão logo assuma o comando do Estado.

Na esquerda, o nome de Úrsula Vidal ganha destaque nas redes sociais e nas pesquisas realizadas na Região Metropolitana, mas a candidata da REDE tem dificuldades para se locomover e ampliar sua base eleitoral para outras regiões do Estado. Pelo PT, o senador Paulo Rocha foi lançado pré-candidato ao governo do Pará e o deputado federal Zé Geraldo ao senado, mas ambos aguardam o julgamento do recurso de Lula, marcado para o próximo dia 24, pois se ele não for candidato, dificilmente os petistas terão alguma chance de realmente emplacarem uma chapa competitiva.

Há no entanto, desejos até outrora inconfessáveis que começam a se revelar por parte de partidos que sempre orbitaram entre os governos e candidaturas do PMDB e do PSDB, em barganhar as duas vagas, das três que o Pará tem no senado. Nomes como Lúcio Vale (PR), Sidney Rosa (PSC) e de Adnan Demarchi (PSDB), se posicionam bem em diversas regiões do Estado, dialogando principalmente com o setor produtivo de alta escala (fazendeiros, madeireiros, agropecuários, industriais e comerciantes de grande porte). A FIEPA nunca esteve tão dividida, me confessou um atento observador da instituição.

O problema desta equação para a ocupação das duas vagas do senado é justamente a presença dos dois senadores que já se encontram sentados nas suas cadeiras e que não dão sinais de querer abrir mão delas para os pretensos sucessores. Tanto Flexa Ribeiro (PSDB), quanto Jader Barbalho (PMDB), nunca disseram que abrem mão de disputar a reeleição, muito embora haja especulações de que Jader esteja mais preocupado com a eleição do filho ao governo, mas assim como Simão Jatene, sabe que não pode ficar sem cargo político e perder a imunidade parlamentar, arriscando também ser preso novamente.

É possível que os demais pré-candidatos possam reclamar de não terem sido citados, mas o blog tem visualizado pesquisas e conversado com diversas lideranças, dos mais diversos partidos, assim como de entidades classistas e ouvido posicionamento de pessoas influentes no meio rural e empresarial, que refutam qualquer ilusão em relação à grandes novidades neste cenário eleitoral, ainda muito incerto e duvidoso, onde quem hoje se apresenta com pretensões ao governo ou ao senado, pode vir a se contentar com uma vaga na ALEPA, ou no máximo na Câmara dos Deputados, apesar de não admitirem.

Para todos os players, a campanha eleitoral já começou, mas ela se mantém nos bastidores, reservada a diálogos com prefeitos, lideranças política, empresarias, equipes de marketing e demais profissionais que começam a ser convocados para realizar pesquisas, análises e projeções estratégicas. É verdade que nem todos possuem condições de visitar os municípios ou montar equipes de trabalho, tal como citado acima, mas quem pensa realmente em se eleger, principalmente aos cargos majoritários, precisa atuar com o profissionalismo que o momento exige, mas que mesmo assim não lhes garante nada.

Em suma, a vitória é sempre uma soma de esforços, pessoas e recursos materiais e subjetivos, com a confiança e o poder de agregar corações e mentes.

A única coisa certa é que assim como essa, outras análises estão sendo formuladas, todas com o intuito de criar uma narrativa aos interesses de grupos e candidaturas, ou simplesmente externar uma avaliação a partir do prisma que cada um tem, como é o caso deste blog, que completou 11 anos em Dezembro passado, talvez com mais acertos do que erros, mas não menos humilde em reconhecer que ainda há muito jogo a ser jogado e quem decide de fato as coisas são os eleitores. 

Espero que dessa vez eles acertem!