Pesquisar por palavra-chave

sexta-feira, novembro 17, 2017

Zenaldo vai torrar quase 2 milhões e meio com 50 "agentes de trânsito" terceirizados


São aqueles trabalhadores de verde que ficam no trânsito. Eles não são efetivos e não recebem nenhum treinamento.

Por Diógenes Brandão

O blog acaba de receber a denúncia de que o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho reajustou pelo 2º ano consecutivo, o salário dos apoiadores de trânsito, trabalhadores terceirizados da SEMOB. 

São 50 apoiadores, onde cada um custará agora quase 4 mil reais (R$ 3.934,42) por mês aos cofres públicos do município de Belém, enquanto que existem servidores efetivos, cujos salários-base ainda estão congelados abaixo do valor do salário mínimo, sem reajuste há mais de dois anos. 



Nesse mesmo período, o Ministério Público determinou a prefeitura a paralisar a contratação da empresa terceirizada responsável por estes apoiadores, contudo, após uma troca de promotores do caso, a recomendação do MP foi suspensa e assim a empresa conseguiu retomar o contrato com a SEMOB. 

Atualmente com essa reajuste, o custo com um apoiador de trânsito terceirizado custará mais do que um agente de trânsito efetivo.  

Segundo a Associação dos Concursados do Pará - ASCONPA, o correto seria o prefeito autorizar a realização de um concurso público para atender a demanda de agentes de trânsito em Belém, já que estes 50 terceirizados são pessoas que estão nas ruas sem treinamento e capacitação e conseguiram o emprego por serem apadrinhados por políticos, agindo portanto em desvio de função.

Para se ter ideia deste gasto, por mês são R$ 200.000,00 reais gastos com estes 50 trabalhadores terceirizados. 

Segundo Agentes da SEMOB, os "guardas apoiadores" são indicados por políticos ligados ao prefeito e não recebem treinamento e nem possuem qualificação para atuar no trânsito de Belém, mas ganham mais que os guardas concursados.

A prática de contratação de servidores públicos sem a realização de concursos tem sido uma constante nas gestões municipais e estadual de gestores do PSDB, o que permite o superfaturamento, o apadrinhamento político e o uso de dinheiro e cargos públicos como pagamento eleitoral. Sem esquecer que gera precarização do trabalho dos servidores públicos que estudaram e se prepararam para atuar em suas funções.

quinta-feira, novembro 16, 2017

Falta pouco para o depoimento do acusado de ter contratado o pistoleiro que matou o prefeito Jones William

 Flávio Rodrigues Porto foi preso em uma cidade do interior de Foto: Celso Rodrigues/Diário do Pará.


Por Diógenes Brandão

Tal como o blog AS FALAS DA PÓLIS havia informado em primeira mão, ainda nesta quarta-feira (15), o contratante do assassinato de Jones William, ex-prefeito de Tucuruí, foi preso no município de São Miguel do Araguaia, no estado de Goiás. O acusado não ofereceu resistência à prisão.

Amanhã, Flávio será interrogado pela polícia civil e seu depoimento certamente trará mais luz e informações para o desfecho das investigações sobre o caso.

Além de Flávio, outras prisões já foram realizadas, começando pela empresária Josy Brito, mãe de Artur Brito (PV), vice-prefeito que assumiu a prefeitura logo após a morte do prefeito e que foi afastado nesta segunda-feira (13), acusado de improbidade administrativa pelo empresário Alexandre Siqueira, que teria recusado a proposta de superfaturar obras e serviços para a prefeitura de Tucuruí.

Leia abaixo outras matérias exclusivas do blog que tem feito uma cobertura completa e fiel à apuração deste cruel assassinato que chocou o Pará e ganhou repercussão na mídia nacional.








Juiz que pediu a condenação de Helder Barbalho, absolveu Simão Jatene pela mesma prática: Uso da mídia para influenciar os eleitores

TRE-PA julgou improcedentes as duas denúncia contra Helder, uma apresentada pela coligação "Juntos pelo Pará", vencedora das eleições de 2014 e a outra pelo Ministério Público Eleitoral.

Por Diógenes Brandão 

Com o voto do ex-prefeito de Capanema, Alexandre Buchacra (ex-PT) e mais quatro (04) juízes do TRE-PA, o ministro Helder Barbalho foi absolvido junto com o candidato a vice-governador na época, o ex-deputado Joaquim Lira Maia. 

A ação ajuizada pelo Ministério Público Federal por meio da procuradora regional eleitoral substituta, Maria Clara Barros Noleto, foi julgada nesta quinta-feira (16), em Belém. A outra foi movida pela coligação "Juntos pelo Pará", comandada pelo PSDB.

Além do juiz Alexandre Buchacra, acompanharam o voto divergente de Altemar da Silva Paes, os juizes Amilcar Roberto Bezerra Guimarães, Arthur Chaves e Luzimara Moura. Todos julgaram As Ações de Investigação Judicial Eleitoral - AIJES 317955 e 250310, como improcedentes.

O único voto pela condenação de Helder foi do relator do processo, o desembargador Roberto Gonçalves de Moura que deu seu parecer favorável à acusação de que, enquanto candidato, o ministro abusou do poder econômico e fez uso indevido de meios de comunicação de sua família - Rádios, TV e jornal - nas eleições de 2014, quando concorreu ao cargo de governador do Estado. A denúncia partiu da coligação "Juntos pelo Pará", encabeçada pelo governador Simão Jatene reeleito no segundo turno daquele pleito.

O advogado de defesa de Helder Barbalho informou que à época todas as matérias veiculadas foram submetidas ao TRE, que analisou o material e não impediu o registro da candidatura, o que permitiu que o candidato pudesse concorrer ao pleito.

Cabe lembrar que em outra Ação, o mesmo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) cassou o mandato do governador do Pará, Simão Jatene (PSDB), e do seu vice, Zequinha Marinho (PSC). Por 4 votos a 2, os membros do Pleno do TRE confirmaram que Jatene fez uso indevido de poder político e econômico, no programa habitacional Cheque Moradia, para ser reeleito nas eleições estaduais de 2014.

Um advogado presente no julgamento de hoje, informou ao blog que o mesmo relator que hoje pediu pela condenação do candidato Helder Barbalho, há quatro meses absolveu Simão Jatene pelos mesmos motivos: Abuso de poder econômico através do uso de veículos de imprensa.

Um dos juízes que participou do julgamento da Ação, chegou a defender em seu discurso o ditado popular: "Pau que dá em Francisco, dá em Chico".

O advogado lembrou que no dia 27 de julho deste ano, o TRE-PA julgou a AIJE nº 317093, onde o relator também foi o desembargador Roberto Gonçalves de Moura. Nos autos, o requerente era a coligação "Todos pelo Pará", representada na candidatura de Helder Barbalho, contra Simão Jatene, o empresário e então diretor do sistema ORM (Rádios, TV e Jornais) Ronaldo Maiorana, o jornalista Ronaldo Brasiliense, o empresário e diretor do sistema Marajoara, Carlos Santos e os radialistas Silvinho Santos e Nonato Pereira. Segundo a denúncia, os citados acima eram responsáveis pela veiculação de mensagens difamatórias, caluniosas ou injuriosas contra o candidato Helder Barbalho e sempre favoráveis ao candidato Simão Jatene.

Cabe lembrar que nesse caso, o desembargador Roberto Gonçalves de Moura, que também foi o relator do processo contra Simão Jatene e os veículos e profissionais de imprensa acima descritos, entendeu que "os próprios demandantes (Helder e Lira Maia) tinham a seu dispor um conglomerado midiático utilizado para ataques a adversários e divulgação de feitos próprios e que portanto não houve desequilíbrio substancial algum e, portanto, o ilícito "abuso ou uso indevido dos meios de comunicação" não se conforma". 

Ou seja, o desembargador que hoje relatou a Ação de Investigação Judicial Eleitoral procedente contra Helder Barbalho, dizendo que houve prática ilícita no uso de mídias a seu favor, há quatro meses atrás julgou a Ação similar contra Simão Jatene, como improcedente. A alegação para tal mudança de entendimento, não convenceram os demais juízes do TRE-PA, que votaram contra o contraditório relator.

A impressão que fica é que Jatene pode usar os veículos das ORMs (Maioranas) e do Sistema Maroajara (Carlos Santos), assim como Helder também pode usar os veículos da RBA (Barbalho).

E quem não tem empresa de rádio, jornal e TV, como fica?

Onde está o princípio da igualdade de condições, tão exaltado pela justiça eleitoral e todos os códigos processuais eleitorais em vigor no país?

Outra pergunta que fica no ar é se depois da decisão de hoje, nas eleições de 2018, os veículos de comunicação e seus respectivos profissionais poderão livremente fazer suas campanhas eleitorais antecipadas a favor e contra os candidatos dos dois principais partidos do Pará: O PSDB e o PMDB.

Pelo que o TRE-PA deixou a entender em seu despacho é que fica mantida a máxima: "Não te mete em política sem dinheiro". E, principalmente, sem amigos na grande mídia.

terça-feira, novembro 14, 2017

Tucuruí: Polícia investiga boataria após afastamento do ex-prefeito

Afastado do cargo, Artur Brito (PV) luta na justiça e nas redes sociais para reverter situação em que sua família se encontra perante a opinião pública de Tucuruí.

Por Diógenes Brandão

Menos de quatro (04) meses após a morte do prefeito de Tucuruí, Jones William (PMDB), o clima de hostilidade política cresce com os desdobramentos das investigações do assassinato do mesmo e  o avanço das denúncias de que o grupo político que assumiu o poder, tramava formas de desviar recursos públicos.

Fontes do blog dão conta de que a Polícia Civil já investiga a ação de assessores do ex-prefeito afastado de Tucuruí, Artur Brito (PV), que estão usando perfis falsos nas mídias sociais para espalhar ataques de boataria contra Alexandre Siqueira, por este ter denunciado a tentativa de superfaturamento de obras e serviços no município, logo depois que Jones William foi assasinado.  

EX-VICE-PREFEITO FOI AFASTADO POR SUPOSTA CORRUPÇÃO 

O Ministério Público acatou as denúncias e a justiça determinou que o prefeito e mais dois assessores não pisem em órgãos públicos municipais durante 06 meses, tempo que pode ser afastado definitivamente pela Câmara de Vereadores, que hoje recebeu o 2º pedido de cassação do prefeito e que será avaliado na próxima terça-feira (21). 

Além de ter sido afastado pela tentativa de corrupção, o vice-prefeito que passou três (03) meses no cargo de prefeito, amarga a prisão de sua mãe, Josy Brito, presa como suspeita de ser uma mandantes do cruel assassinato do ex-prefeito Jones William, morto com cinco (05) tiros na cabeça, enquanto fiscalizava uma obra no município, em Julho deste ano.  


Para Alexandre Siqueira, amigo pessoal e prestador de serviços na gestão de Jones William, os ataques que vem recebendo não passam de uma tentativa do grupo político - que tomou o poder logo após a morte do ex-prefeito - de jogar uma nuvem de fumaça sobre as investigações que estão desvendando aos poucos, a estratégia macabra utilizada para tomarem a prefeitura daquele que foi eleito pela população, que revoltada pede a saída definitiva do prefeito e de seu irmão, que é vereador no município.   

PROTESTOS

Semana passada, milhares de pessoas ocuparam a frente da Prefeitura e da Câmara de Vereadores de Tucuruí exigindo a renúncia do prefeito Artur Brito, que ontem foi afastado do cargo pela justiça, pelo prazo de 180 dias. Agora a população exige a saída definitiva do prefeito e do vereador, Lucas Brito (PV), irmão de Artur Brito.



EX-PREFEITO REBATE ACUSAÇÕES E ATACA

Após saber da determinação judicial para que ele dois de seus assessores, o Chefe de Gabinete e o Secretário Municipal de Obras fossem afastados dos seus cargos na prefeitura de Tucuruí, o ex-prefeito Artur Brito disse em uma rádio que todos os contratos do empresário denunciante seriam fraudados e superfaturados. O prefeito disse que a denúncia é falsa,de um empresário desesperado porque tem seus contratos fraudulentos todos investigados pela prefeitura”

DENUNCIANTE DIZ QUE A DECISÃO DE AFASTAMENTO FOI DA JUSTIÇA

Por sua vez, o empresário Alexandre França Siqueira disse à mesma emissora de rádio que tem como provar tudo o que disse aos promotores. Segundo ele, o grupo de Artur Brito está tentando roubar a prefeitura para tentar se safar dos processos relativos à morte do ex-prefeito Jones William.  “A cidade está sendo governada por mãos de sangue e se o prefeito tivesse bom senso já teria renunciado”, disse, numa alusão direta à prisão da mãe de Artur Brito, Josy Brito, acusada de ser a mandante da morte de William. Alexandre Siqueira lembrou que, quando ocorreu o assassinato do prefeito Jones Wiliam, o grupo que está governando o município tentou ligá-lo ao crime. “Mas a polícia não foi na minha casa, eu não fui alvo de condução coercitiva, ninguém pediu meu depoimento”.


Procurado por este blog, Alexandre disse que seus adversários precisam reclamar com a justiça e não com ele, pois não é justo e nem inteligente dizer que ele foi o responsável pelo afastamento do ex-prefeito e sim o Tribunal de Justiça do Pará, que se agiu como agiu, é porque teve motivos para tal.

NOVA POSSE

Após o afastamento de Artur Brito, o vereador Benedito Joaquim Campos Couto, o Bena Navegantes (PROS), foi empossado na manhã de hoje (14) como prefeito de Tucuruí. Ele permanecerá no cargo por 06 meses, ou menos, caso a Câmara de Vereadores decida afastar em definitivo o ex-prefeito e convocar novas eleições para que o povo decida quem deve ser o seu governante.

Segundo o blog do João Carlos, "a posse de Bena Navegantes se deu em sessão extraordinária da Câmara de Vereadores, que teve início às 9h. Muita gente foi acompanhar o ato de posse do novo prefeito. O plenário do Legislativo ficou totalmente lotado durante todo o tempo da sessão."

segunda-feira, novembro 13, 2017

Tucuruí: Alexandre Siqueira denuncia Artur Brito e juiz o afasta da prefeitura por improbidade administrativa

Após 03 meses no cargo de prefeito, Artur Brito (PV) é afastado do cargo após a justiça aceitar a denúncia feita por Alexandre Siqueira, após este se negar de participar de um esquema fraudulento de superfaturamento de obras na prefeitura de Tucuruí.

No Blog do João Carlos 

O juiz da 1ª Vara Cível e Empresarial de Tucuruí, Pedro Enrico de Oliveira, determinou o afastamento do prefeito Artur Brito (PV). A decisão liminar, divulgada agora no fim da tarde, se deu em Ação Civil Pública impetrada pelo Ministério Público do Pará (MPPA). Também foram afastados o secretário de Obras, Florivaldo Vieira Martins, e o chefe de Gabinete do prefeito, Wilson Wischansky.  

Pedro de Oliveira determinou ainda que o presidente da Câmara, Benedito Joaquim Campos Couto, o Bena Navegantes (PROS), seja empossado no cargo de prefeito. Uma reunião com todos os vereadores deve acontecer ainda hoje, segundo Navegantes. É nessa reunião que devem ser definidos os procedimentos da posse.

O prefeito e os dois secretários municipais também foram proibidos de acessar os prédios públicos do município. Além de ter as contas bancárias e os bens bloqueados e o sigilo fiscal e bancário quebrado. O afastamento deve durar 180 dias, sem prejuízo da remuneração.  

Em ofício ao Legislativo, o juiz Pedro Enrico de Oliveira, deu prazo de 24 horas para que ocorra a posse. Em caso de descumprimento, o magistrado fixou multa diária de R$ 10 mil, que deve ser paga pelo presidente do Legislativo. 

Tudo sem prejuízo das responsabilidades civis e criminais por desobediência a ordem judicial.  

Foi a partir de denúncia de um empresário do município, que o MPPA decidiu ingressar com a ação que culminou no afastamento do prefeito Artur Brito. O empresário Alexandre França Siqueira denunciou improbidade administrativa do prefeito e seus secretários.  

Alexandre Siqueira denunciou o prefeito de Tucuruí e seus assessores por tentativa de extorsão em superfaturamento de obras e serviços. MP acatou e juiz decidiu pelo afastamento de Artur Brito, que tem a mãe presa por suspeita de ser uma das mandantes do assassinato de Jones William, ex-prefeito da cidade.

De acordo com o relato do empresário, no dia 26 de outubro deste ano, ele foi chamado para uma reunião na prefeitura. Lá, os secretários Florivaldo Vieira Martins e Wilson Wischansky teriam proposto o superfaturamento de contratos da empresa Siqueira Locações com o município.  

Pelo que consta no processo, as medições dos serviços de outubro totalizavam R$ 1 milhão. A proposta, conforme o empresário, é que isso fosse dobrado e as medições refeitas para R$ 2 milhões. A operação deveria ser repetida no mês de novembro e o resultado do superfaturamento deveria ser repassado ao prefeito. De acordo com Alexandre Siqueira, os secretários queriam que ele entregasse os R$ 2 milhões em espécie a Artur Brito.  

O secretário de Obras, Florivaldo Vieira Martins, teria se comprometido a assinar as medições fraudadas. Segundo o empresário Siqueira, ele recusou a proposta e, por isso, parte de seus contratos com o município foi rescindida.  

Defesa de Artur Brito 

Em entrevista a uma emissora de rádio local, o prefeito Artur Brito disse que todos os contratos do empresário denunciante seriam fraudados e superfaturados. O prefeito disse que a denúncia é falsa, “de um empresário desesperado porque tem seus contratos fraudulentos todos investigados pela prefeitura”.  Segundo Brito, o contrato de transporte escolar do empresário Alexandre Siqueira obriga o município a pagar o dobro do preço de mercado. O prefeito disse ainda que contratou uma auditoria privada que está analisando todos os contratos.  

“A verdade irá prevalecer. Estou com a consciência limpa e quem me conhece sabe que eu seria incapaz de desviar recursos públicos”, afirmou Artur Brito. Ele disse ainda que não concorda com a decisão da Justiça de afastá-lo do cargo, mas que acata e irá recorrer.  

Por sua vez, o empresário Alexandre França Siqueira disse à mesma emissora de rádio que tem como provar tudo o que disse aos promotores. Segundo ele, o grupo de Artur Brito está tentando roubar a prefeitura para tentar se safar dos processos relativos à morte do ex-prefeito Jones William.  

“A cidade está sendo governada por mãos de sangue e se o prefeito tivesse bom senso já teria renunciado”, disse, numa alusão direta à prisão da mãe de Artur Brito, Josy Brito, acusada de ser a mandante da morte de William.  

Siqueira lembrou que, quando ocorreu o assassinato do prefeito Jones William, o grupo que está governando o município tentou ligá-lo ao crime. “Mas a polícia não foi na minha casa, eu não fui alvo de condução coercitiva, ninguém pediu meu depoimento”, encerrou o empresário. (Imagem: Reprodução.)

sexta-feira, novembro 10, 2017

#FicaTemer: Petista comemora 10 anos em DAS no governo federal

Foto de uma das viagens internacionais de Alda Selma e Marquinho Oliveira, casal abençoado pelo Diretório Estadual do PT e parlamentares petistas que os mantém em diversos cargos, inclusive em DAS de confiança de Michel Temer.


Por Diógenes Brandão

Por diversas vezes me perguntaram se eu tinha como provar que ainda existiam petistas em cargos de confiança em órgãos federais, como a SUDAM. 

Eu disse que sim e qualquer pessoa que queira saber ou comprovar isso, basta acessar os portais do governo e lá se encontram os nomes de todos os nossos companheiros e companheiras do PT, embora o Diretório Estadual, presidido novamente pelo eterno João Batista, depois de tomar posse esse ano, tenha aprovado uma resolução que determinou a imediata saída de todos os petistas do governo golpista de Michel Temer. É claro que a determinação não foi até hoje cumprida. 

Há entre nós casos especiais, como da companheira Alda Selma Frota, que no dia 23 deste mês completa 10 anos como chefa de gabinete na SUDAM

Pensa numa pessoa compete! 


Antes de ser assessora na SUDAM, Alda teve cargo de confiança por 8 anos, na prefeitura de Belém, quando o PT governou a cidade. 

Quando o partido perdeu a prefeitura, Alda foi "automaticamente" colocada na SUDAM, onde assumiu um cargo de direção e lá sentou na cadeira de chefe de gabinete e lá se mantém firme e forte no cargo. 

Concluindo: Alda Selma Frota já passou pelo mandato de cinco 07 governos, 02 de Edmilson Rodrigues, de Lula, 02 de Dilma e agora o de Temer, quem seus companheiros de partido chamam de golpista.

Embora seu marido - o sociólogo Marquinho Oliveira - seja o coordenador estadual da Unidade na Luta, grupo do senador Paulo Rocha (PT-PA), a competência, a capacidade técnica e política de Alda Selma é que a torna imbatível em sua a à frente do cargo. 

Marquinho Oliveira também é um privilegiado. "Com dons divinos", dizem no PT. 

Com mais de 30 anos como assessor político do senador Paulo Rocha, Marquinho hoje é assessor do senado, sem precisar pisar em Brasília e nem assinar ponto em qualquer lugar que seja, assim como não tem horário para cumprir, graças à sua enorme capacidade intelectual e a sorte que o mundo lhe trouxe.


Paulo Rocha continua ignorando as críticas por ter indicado e manter todas essas regalias aos seus mais chegados no governo Temer e acabou impedido de votar contra a resolução partidária que determinou o afastamento de seus indicados no governo Temer. 

O motivo é mais um tapa na cara da militância que acredita que tem que contribuir semestralmente com o PT: Mesmo com o salário e a verba de gabinete do senado, o petista não contribui com o partido e sua dívida com o PT já é um escândalo, mas como ele é um senador, o caso é abafado.

Grupos que defendem a transparência e a democracia interna no PT já pensam em fazer uma vaquinha na internet para ajudá-lo.

Entre os projetos apresentados pelo senador Paulo Rocha este ano, está a proposta de criação do vale-cultura do servidor público federal, para que pessoas como os assessores do senado ou da SUDAM, possam usufruir de um recurso mensal para divertirem-se e consumirem bens culturais.



sexta-feira, novembro 03, 2017

Tucuruí em chamas: Vereador pede a renúncia do prefeito e seu irmão, filhos da acusada de mandar matar seu irmão, o ex-prefeito da cidade

Weber Galvão pede a renúncia do atual prefeito Artur Brito (foto) e de seu irmão, também vereador em Tucuruí.   

Por Diógenes Brandão

Em uma nota, o vereador de Tucuruí, Weber Galvão (PMDB) faz um apelo em busca de justiça pelo assassinato do seu irmão, o prefeito Jones William (PMDB), morto de forma cruel e covarde com tiros na cabeça, enquanto fiscalizava obras em uma rua do município, em Julho deste ano. Segundo ele, não há como suportar conviver no mesmo ambiente que os beneficiados pelo crime cometido contra o seu irmão.

Leia:

NOTA À POPULAÇÃO TUCURUIENSE 

Como irmão do prefeito Jones Willian e vereador de Tucuruí, legítimo representante do povo, venho a público externar meus sentimentos  de tristeza, surpresa e decepção com os últimos acontecimentos, resultantes das investigações sobre a morte do nosso eterno prefeito. Situação que também tem causado ansiedade a toda a população tucuruiense.                                                 

Quero aqui ressaltar que respeito a independência e autonomia entre os poderes, assim como os ritos da lei, mas diante da prisão da empresária Josy Brito, mãe do atual prefeito Artur Brito, por envolvimento no assassinato do nosso eterno prefeito Jones Willian, meu querido irmão, se torna insustentável que o atual prefeito se mantenha no cargo de governante de nossa cidade. Tenho a certeza que a população de Tucuruí não deseja ter um prefeito, cujo cargo foi herdado as custas da morte do governante que eles escolheram e acreditaram que poderia mudar a realidade da nossa amada cidade, principalmente porque ter sido esse crime arquitetado pela genitora do atual prefeito. 

Da mesma forma que pra mim, como vereador e irmão do prefeito assassinado é muito difícil permanecer convivendo e ter que trabalhar em harmonia, no mesmo ambiente que o vereador Lucas Brito, irmão do atual prefeito e filho da mentora do assassinato do prefeito Jones. 

Por acreditar, que mantê-los no cargo pode contribuir para a facilitar a liberdade de Josy Brito, mãe do prefeito Artur Brito e do vereador Lucas Brito, dificultando as investigações e até mesmo garantindo recursos para custear, quem sabe com dinheiro público, as custas de advogados para defende-la desse crime, é que na próxima sessão da Câmara Municipal, no dia 07 de novembro, estarei dando entrada no pedido de cassação do prefeito Artur Brito e do Vereador Lucas Brito, atitude que não seria necessária, se ambos tivessem demonstrado dignidade e respeito pela família do nosso eterno prefeito Jones Willian e pela população de Tucuruí, renunciando aos seus cargos, principalmente o prefeito Artur Brito, que por articulação de sua mãe, foi o maior beneficiado com a morte do meu querido irmão e prefeito de Tucuruí, escolhido pelo povo e que infelizmente, pagou com a própria vida, o preço da ganância da  família Brito. 

Por fim, peço o apoio ao Presidente da Câmara Municipal, assim como aos demais colegas Vereadores e a população em geral, para que  com isso, seja dado  mais um passo para que se faça Justiça pela morte do meu irmão e eterno prefeito Jones Willian e que finalmente o povo de Tucuruí tenha a resposta que quer e merece ouvir. 

Weber Galvão – Vereador de Tucuruí

quinta-feira, novembro 02, 2017

Tucuruí: Dinheiro desviado de obra da orla teria pago assassinato de um dos envolvidos na morte do prefeito Jones William

Welligton Hugles, atual assessor de comunicação da prefeitura de Tucuruí, denuncia desde 2014, como "obra fantasiosa", a construção da Orla da cidade, ainda hoje recebendo dinheiro, sem ter nunca sequer tido uma saca de cimento utilizada nela.

Por Diógenes Brandão

Dando continuidade à cobertura jornalística sobre as investigações dos acusados de serem os mandantes do assassinato do ex-prefeito de Tucuruí, Jones William (PMDB), o blog recebeu com exclusividade, uma nota fiscal que teria sido supostamente usada como prova no indiciamento policial da mãe do atual prefeito, Artur Brito (PV).  

Nota Fiscal emitida no dia 06 de Setembro, mesmo dia do assassinato do fazendeiro Zé Davi, segundo a polícia, vítima de queima de arquivo, por ser ligado à morte do ex-prefeito Jones William (PMDB).

Segundo informações enviadas ao blog, a nota fiscal série A, nº 00280, emitida no dia 06 de Setembro deste ano, no valor de R$ 827.707,34 teria sido utilizada para pagar o aditivo para a medição da obra do Complexo Cultural da Orla de Tucuruí, parada desde a administração do ex-prefeito Sancler, que governou a cidade até Dezembro de 2015 e em 2014, assinou convênio com o governo do Estado, recebendo R$ 7.200.000,00 (Sete milhões e duzentos mil reais). O jornalista Wellington Hugles denunciou por diversas que a obra já teria ultrapassado o recebimento de mais de 15 milhões e até hoje, nenhuma estaca foi levantada no local.



Para fontes do blog em Tucuruí, o aditivo à obra de quase um milhão, teria sido usado no pagamento do assassinato de Zé Davi, fazendeiro morto com cinco (05) tiros, no mesmo dia em que o dinheiro foi sacado dos cofres da prefeitura. 

Leia também > Exclusivo: Por que a mãe do prefeito de Tucuruí foi presa?

O caso teria sido desvendado com a entrega de documentos para a polícia, feita por Marlon Posebom que teria delata Josy Brito, como a mandante do assassinato. O pagamento foi feito através da construtora MGM Construções, a mesma que recebeu os mais de sete milhões em 2014 e que até agora não concluíram nem 5% da obra do Complexo Cultural da Orla de Tucuruí.

Fotos feitas na manhã desta quinta-feira (02), no local onde a obra deveria estar concluída, provam de que ela está muito longe de ser acabada.













quarta-feira, novembro 01, 2017

Rede TV: Mariana Godoy Entrevista Jair Bolsonaro (PSC)

Por Diógenes Brandão

A jornalista Mariana Godoy entrevistou o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC), que está em plena pré-campanha a presidente do Brasil. Assista e veja o que ele disse sobre diversos temas polêmicos.

Economia 

Em um trecho da entrevista, ao responder uma pergunta de um internauta, sobre a proposta do pré-candidato sobre economia, Bolsonaro diz que vai indicar um especialista para cada área e que cobrá-lo conhecimento sobre áreas específicas é um exagero. Fugindo do assunto, ele diz que no período da Ditadura Militar, os "presidentes" não tinham formação econômica e faz analogias que são corrigidas pela jornalista, que o lembra da dívida externa, da inflação e faz o deputado gaguejar ao continuar sua resposta. 

Assista:



segunda-feira, outubro 30, 2017

Exclusivo: Por que a mãe do prefeito de Tucuruí foi presa?

Josy Brito acusada de ser mandante do assassinato de Jones William é empresária e mãe do atual prefeito de Tucuruí.

Por Diógenes Brandão

Segundo informações obtidas com exclusividade pelo blog, uma queima de arquivo deixou um lastro de outros cinco (05) assassinatos, logo após a morte de Jones William. Os nomes das vítimas são: Zé Davi, Edvaldo, Elden, Juan e Miúdo.   

Uma delação de um parente de Zé Davi, fazendeiro assassinado 02 meses após a morte de Jones William, teria citado o nome da acusada, a empresária Josenilde Silva Brito, mais conhecida com Josy Brito, mãe do atual prefeito Artur Brito (PV), que acabou presa hoje em Tucuruí, após prestar depoimento à polícia.

A acusada é proprietária de uma empresa chamada Fé em Deus empreendimentos.

DELAÇÃO E QUEIMA DE ARQUIVO  

Zé Davi, é como era conhecido o fazendeiro José David de Lucas, de 76 anos, assassinado com cinco (05) tiros na noite do dia 22 de Setembro, na rodovia BR-422, próximo ao município de Tucuruí, no sudeste pararense. 

Uma das hipóteses levantadas pela polícia na época e que serviram para montar o quebra-cabeça que permitiu chegar à conclusão de que o crime tenha sido uma queima de arquivo, foi de que José Davi estava sendo investigado por envolvimento no assassinato do prefeito da cidade, Jones William, em julho deste ano.

Leia também >> Exclusivo: Mãe do prefeito de Tucuruí é presa após prestar depoimento à polícia

O carro do fazendeiro foi encontrado capotado ao lado da pista, apoiado em um poste de energia, com a vítima já morta dentro do veículo. O caso foi inicialmente tratado como um acidente de trânsito, mas após a chegada da polícia militar, foram encontradas as marcas de bala no veículo e no corpo do fazendeiro.

O caso inicialmente foi tratado como um acidente de trânsito, mas policiais encontraram marcas de tiros no veículo e na vítima. (Foto: Reprodução/Sistema Floresta).
Segundo as primeiras informações levantadas pela polícia, José David voltava para casa, localizada na Vila Permanente, dirigindo o próprio carro, quando dois homens de moto o perseguiram e dispararam diversas vezes contra ele, acertando cinco tiros. Baleado, José David perdeu o controle do veículo, batendo no canteiro central da rodovia e capotando em seguida.    

A morte do fazendeiro ocorreu coincidentemente um dia depois da prisão de Bruno Marcos, suspeito de executar o prefeito e capturado em Belém, após tentar embarcar em um vôo no aeroporto internacional Júlio César. Bruno foi identificado como executor de outro crime em Itaituba, onde câmeras de segurança do posto da vítima, registraram o momento em que o matador de aluguel encostou a arma na cabeça dele e atirou.   

Um retrato falado e o vídeo foram peças fundamentais para a polícia chegar ao acusado que permanece preso e deve ter revelado os nomes dos mandantes e contratantes do "serviço", que já ceifou a vida de três prefeitos da mesma região, no período de um ano e meio, tal como esse blog vem apurando. 

Assista: A pistolagem que mata prefeitos e empresários no Pará


Exclusivo: Mãe do prefeito de Tucuruí é presa após prestar depoimento à polícia



Por Diógenes Brandão


Em Tucuruí, depois de alguns depoimentos coletados pela polícia, com os suspeitos do assassinato do ex-prefeito Jones William (PMDB), morto no mês de Julho deste ano, com tiros na cabeça, o juiz Leonardo Frota de Vasconcelos decretou a prisão de Josy Brito, mãe do atual prefeito de Tucuruí Artur Brito (PV).

A prisão ocorre após contradições em seu depoimento e pelo fato da empresária ter sido delatada por Marlon Posebom, como sendo a mandante do crime que ceifou a vida do ex-prefeito. A acusada está sendo transferida neste momento para a Região Metropolitana de Belém, onde deve ficar presa por no mínimo 30 dias, para não atrapalhar as investigações em curso.

A população revoltada clama por justiça. Assista o vídeo enviado ao blog por populares presentes em frente ao


Delegado-geral diz que não houve prisão de Arthur Brito, prefeito de Tucuruí

Artur Brito e Jones William, após eleitos como vice-prefeito e prefeito de Tucuruí, respectivamente.

Por Diógenes Brandão 

Cumprindo sua imparcialidade no trato trato das informações que nos chegam e em busca de uma apuração isenta de todas as versões, o blog AS FALAS DA PÓLIS cumpre sua função social e prima pela ética na cobertura das investigações sobre os assassinatos dos prefeitos paraenses, pois considera um tipo de crime que não pode ficar impune de forma alguma.

O blog ainda aguarda o envio da gravação do teor de toda a Coletiva de Imprensa, concedida pelo delegado Rilmar Firmino para publicá-la aos nossos leitores, mas adiante que além de termos trazido aos nossos leitores, a Nota de Esclarecimento da Prefeitura de Tucuruí e ter apresentado a versão da defesa do prefeito Artur Brito (PV), trazemos agora a matéria do blog Jornal de Tucuruí, com o seguinte título: Delegado Geral reafirmou a inexistência de prisão contra o prefeito Artur Brito.

Leia:

Em entrevista coletiva à imprensa na tarde desta segunda-feira (30), Rilmar Firmino, Delegado Geral da Polícia Civil do Estado do Pará, reafirmou o que foi divulgado em nota de esclarecimento expedida pela Prefeitura de Tucuruí na manhã desta segunda-feira (30), que em nenhum momento existiu contra o prefeito Artur Brito mandado de prisão preventiva ou condução coercitiva. E reafirmou que “o prefeito Artur Brito foi apenas notificado para prestar esclarecimentos, e de forma espontânea o prefeito compareceu perante a autoridade policial na sede da Superintendência da Polícia Civil da Região do Lago de Tucuruí”.   

A ação da Polícia Civil realizou 12 mandados de busca e apreensão, sendo um na sede da Prefeitura de Tucuruí e 11 em diversas residências, além de 8 conduções coercitivas e 3 prisões preventivas temporárias.    

Firmino esclareceu que “as pessoas que foram conduzidas de forma coercitiva para prestar esclarecimentos, não efetivamente tem envolvimento no crime que culminou com a morte de Jones William, apenas seus depoimentos são de grande importância para colaborar com o andamento das investigações”.   

O delegado Rilmar Firmino foi bastante contundente em cobrar de alguns meios de comunicação que são responsáveis de levar informações verídicas a população, de terem maior critério de apuração de suas pautas, a exemplo, do noticiário nas primeiras horas do dia de hoje, com informações inverídicas que a Polícia Civil estaria cumprindo mandado de prisão contra o prefeito Artur de Jesus Brito e seus familiares, e mais a frente, divulgaram que os mesmos estariam foragidos sendo os culpados pelo assassinato do ex-prefeito Jones William.    

Segundo o delegado Geral são notícias desta extirpe, por meios de comunicação que não tem compromisso com a verdade que atrapalham as investigações e colocam em risco a integridade de pessoas de bem como o foi o caso do prefeito Artur Brito e seus familiares, que tiveram seus nomes enlameados pelo erro de condução dos meios de comunicação.   

Ao final, o Delegado Geral reafirmou o compromisso de no menor tempo possível elucidar a autoria intelectual do crime, haja vista, que os autores do assassinato já foram presos e os que figuram como os apoiadores da execução também já foram identificados, e suas prisões preventivas decretadas. “Nosso maior desafio e desvendar a autoria intelectual, haja vista, os autores do crime já estarem presos”, conclui Firmino.

População hostiliza e a polícia escolta vice-prefeito de Tucuruí. Advogada é presa após tentar impedir o trabalho da imprensa

A chegada de Artur Brito (PV) à sede da Superintendência Regional da Polícia Civil, em Tucuruí.

Por Diógenes Brandão

Veja o momento em que o vice-prefeito de Tucuruí, Artur Brito (PV), chega para ser interrogado:


Em audio recebido do municípios de Tucuruí, a procuradora do município, conhecida como Glaucia Brasil, diz que o prefeito e nem ninguém de sua família foi preso e em vídeo aparece tentando impedir o trabalho da imprensa. 

Assista o momento em que a procuradora avança contra a reportagem.



Contrariando as informações de que a polícia destacou 50 agentes e dezenas de viaturas de Belém e outras cidades, para dar cumprimento de 10 mandados de busca e apreensão e três de prisão temporária dos suspeitos, além de outras 13 conduções coercitivas, a advogada diz que foram apenas convites para que o vice-prefeito e seus familiares fossem depor.


Segundo uma rádio local, logo após agredir uma equipe de reportagem, a procuradora recebeu voz de prisão.



Neste exato momento populares acampam em frente da Superintendência Regional da Polícia Civil, em Tucuruí e exigem que seja feita justiça contra os acusados da morte do prefeito Jones William (PMDB), atingido por tiros na cabeça, no mês de Julho deste ano, enquanto fiscalizava uma obra na cidade.


Página da Prefeitura de Tucuruí defende vice-prefeito suspeito de ser o mandante do assassinato do prefeito

Suspeito de ser o mandante da morte do prefeito de Tucuruí, Artur Brito tem seu nome defendido por página da prefeitura.

Por Diógenes Brandão

Em nota de esclarecimento, a página da prefeitura de Tucuruí defende a inocência de Artur Brito, principal suspeito de ter sido o mandante do assassinato do prefeito Jones William (PMDB) e que ele continuará governando o município.

Segundo a publicação, o vice-prefeito do município "foi convidado para prestar depoimento perante a autoridade policial responsável pela apuração dos fatos, assim como outras pessoas ligadas à vítima". Na verdade, todas as pessoas levadas pela polícia são ligadas ao suspeito, inclusive sua mãe, seu irmão, chefe de gabinete, além de amigos, sócios e funcionários de Artur Brito.

Polícia procura o principal suspeito de ser o mandante do assassinato de Jones William, prefeito de Tucuruí. Artur Brito (PV) chorou no velório da vítima

Graciele Galvão esposa do prefeito assassinado recebe o afago de Artur Brito, principal suspeito de ter sido o mandante do assassinato de seu marido.

Por Diógenes Brandão  

Três meses após o assassinato do prefeito de Tucuruí, Jones William (42), atingido por tiros na cabeça, a Polícia Cívil deflagrou uma operação que já ouviu a mãe do vice-prefeito, o irmão (vereador) e está na caça do suspeito de ser o mandante do crime, vice-prefeito na época e atual prefeito da cidade, Artur Brito (PV).

Fontes do blog AS FALAS DA PÓLIS já haviam adiantado a autoria do crime, mas o mesmo ainda não foi solucionado, mesmo após a prisão do pistoleiro Bruno Oliveira, preso dias após ter sido acusado de matar um empresário em Itaituba.


Segundo fontes do blog, a mãe, o irmão (vereador) e diversos assessores do vice-prefeito já estão sendo interrogados. Resta agora, o principal suspeito do crime. A cidade aguarda ansiosa pelo desfecho deste caso que chocou o Pará. A procuradora do município nega que tenham ocorrido prisões.

Artur Brito (PV) está foragido da polícia por ser o principal suspeito de ter planejado o assassinato de Jones William.

O vice-prefeito, que não foi encontrado em sua casa, chegou a chorar pela morte do prefeito, ao lado da esposa, durante e após o velório da vítima e em suas redes sociais é comum ter fotos ao lado da vítima.


A cena em que o vice-prefeito Artur Brito (PV) chora sobre o caixão do prefeito Jones William (PMDB).

Ainda segundo as informações exclusivas recebidas pelo blog, uma queima de arquivo deixou um lastro de outros cinco (05) assassinatos após a morte de Jones William, todas ligadas à morte do prefeito. Os nomes das vítimas são: Zé Davi, Edvaldo, Elden, Juan e Miúdo.



Comandada pelo delegado geral da Policia Civil Rilmar Firmino, a equipe composta por 50 agentes de segurança pública que participam da operação, cumprem 10 mandados de busca e apreensão e três de prisão temporária e mais 13 de condução coercitiva, entre elas das seguintes pessoas citadas no inquérito. São eles: Artur Brito (Vice-prefeito), Josy Brito (Mãe do vice-prefeito), Lucas Brito (Vereador e irmão do vice-prefeito), comandante Wilson (Chefe de Gabinete), Patrick (Pistoleiro e segurança da mãe do vice-prefeito) Marlon (Amigo e sócio do vice-prefeito), Birinha (Assessor do vereador Lucas Brito), Tiago Canaã (Motorista do vice-prefeito), Clóvis e Cleiton (Agiotas e sócios do vice-prefeito).